Um estudo realizado pelo  Instituto de Ciências Sociais Nova, na Noruega, concluiu que tarefas domésticas partilhadas aumentam o risco de divórcio em 50%, comparativamente com as famílias onde a maioria do trabalho de casa é realizado por mulheres.

Thomas Hansen, um dos autores do estudo, intitulado “Equality in the Home” (Em português “Igualdade em casa”) referiu que: “Quanto mais ajudar um homem na casa, maior o risco de divórcio.

Casais modernos distribuem tarefas domésticas e têm uma percepção menor do casamento sagrado, nestes casais modernos, as mulheres muitas vezes são altamente qualificadas e têm empregos bem pagos, tornando-se menos dependentes economicamente dos seus maridos. Portanto, podem lidar mais facilmente com casos de divórcio”

A Noruega prima igualdade de género e a educação dos filhos é partilhada entre mães e pais em 70% dos casos, mas quando se trata de tarefas domésticas, são elas quem ainda realizam a maior parte das tarefas.

O estudo afirma que as mulheres  fazem isso por sua própria vontade, já que estão “felizes” como as mulheres dos casais “modernos”.

Os dados mostram nitidamente que “quanto mais um homem faz em casa, maior a taxa de divórcio”, frisou Hansen.

FONTEHiOA

Partilha