Uma das maiores causas de morte nos dias de hoje é algo que mata de forma lenta e muito dolorosa. Falamos da fome.
Morrer à fome é algo que não se pode desejar nem ao nosso pior inimigo, mas mesmo assim milhões de pessoas morrem anualmente. Apesar de a humanidade viver na era tecnologia, avanços científicos extraordinários ainda não conseguiu acabar com a fome no planeta. Os países pobres são os que mais sofrem com este drama alimentar e muitos deles estão desfeitos por sucessivas guerras ou pelo clima de deserto. Aí a morte pela fome atinge uma escala quase apocalíptica.

Nos países desenvolvidos, milhões de toneladas de alimentos são deitados ao lixo, devido ao excesso de oferta no mercado, enquanto em muitos países a obesidade é um drama em muitos outros a magreza extrema é sinónimo de morte.
Um dos países mais afetados pela fome é a India, onde milhares de pessoas diariamente remexem nos caixotes do lixo em busca de um pouco de comida para si e para alimentar os filhos. Ao ver esta cena dantesca uma mulher resolveu tomar uma atitude neste mundo cheio de promessas.
Minu Pauline, é proprietária de um restaurante chamado Pappadavada, situado em Kochi, na Índia, mas este estabelecimento tem algo diferente e que para muitas pessoas faz a diferença, entre dormir com a barriga com um pouco de comida, ou ficar à fome mais uma noite.
Diariamente Minu deixa dentro de um frigorífico instalado propositadamente à porta do seu restaurante toda a comida que não vendeu nesse dia, para que quem mais precisa possa ter o que comer por pouco que seja. Esta atitude deveu-se ao facto de Minu Pauline ter testemunhado na primeira pessoa uma mulher a remexer o lixo do restaurante em busca de um pouco de comida. “Entristeceu-me ver como a mulher procurava qualquer coisa comestível no meu lixo”.

Ao ver aquela cena monstruosa Minu ficou a pensar no enorme desperdício que diariamente se fazia no restaurante ao deitar tanta comida em boas condições fora e que poderia alimentar algumas pessoas extremamente necessitadas.
Este frigorífico está aberto 24 horas por dia para que todos possam recorrer. O sucesso deste acto já correu o mundo inteiro e Minu mostra-se bastante orgulhosa pela iniciativa. Agora muitos clientes fazem doações de comida e Minu coloca ela mesmo entre 70 e 80 alimentos frescos diariamente.

Agora o frigorífico é muito concorrido e tem de ser recheado mais vezes, mas a dona está contente por dar comida, ao invés de a desperdiçar.
Só de pensar que se todos fizessem um pouco este mundo seria muito melhor, mas o egoísmo e a ganancia impede de se fazer o que é certo!