Os maus tratos ao Animais continuem…..
No Santuário de Fátima o abate de animais é conhecido de muitos, mas ninguémpára com a crueldade.
A equipa da TVI foi impedida de fazer reportagem.
As ordens partem da Reitoria do Santuário, para que todos os cães que aparecem por Fátimasão capturados pelos seguranças e colocados numa caixa. Caixa essa que está mesmo nas traseiras do santuário, no local das oficinas. Ali ficam os cães durante algumas semanas, ao frio e à chuva de Inverno, à chapa do sol, no Verão. Sem direito a comida ou água, num espaço mínimo onde a maioria nem se consegue colocar de pé…
Existem alguns seguranças que não levam os cães capturados para este local, conseguem levar alguns para casa e adoptam-nos ou arranjam donos entre os seus vizinhos ou colegas de trabalho.
Mas existem também dois seguranças, que violentam cruelmente os cães, com foices de podar oliveiras, dando com elas nas pernas dos cães que ficam em carne viva, a sangrar e com grandes cortes extremamente dolorosos e muitas vezes as pernas partidas. Esses cães são posteriormente levados, para esta caixa, permanecendo até que a carrinha da Câmara de Ourém tenha tempo para os vir buscar. Lá, são colocados, já muito debilitados, para abate, e são-no todos num prazo de poucos dias.
Existe um  engenheiro que reporta directamente à reitoria do santuário, que deixa veneno (de acção ultra rápida) para matar alguns cães mais difíceis de apanhar.
Mais grave a situação se torna de algum tempo para cá, que os cães depois de serem colocados na caixa, desaparecem antes que a carrinha da Câmara os venha buscar, ou tenha conhecimento que eles lá estão. Pensamos que são abatidos por alguns trabalhadores do santuário, porque os cães ladram à noite e podem incomodar os turistas, ou podem levantar suspeitas de maus-tratos contra os animais perpetrados num local “sagrado”.

Há algum tempo a TVI este no local com a intenção de fazer uma reportagem sobre esta chacina animal, mas, passados alguns minutos os seguranças obrigaram a equipa de reportagem a abandonar o local. As imagem recolhidas até esse momento nunca foram exibidas ao publico.