Os casais devem fazer amor usando máscara para evitar transmissão por COVID-19. As orientações em vigor no resto do Reino Unido também impedem as pessoas de fazer amor com alguém fora da sua casa.

Os cientistas de Harvard classificaram diferentes cenários com base na probabilidade de apanhares coronavírus através das relações amorosas. Assim, o menor risco, é a abstinência.

Em seguida, é “dares à maneta” e, em terceiro lugar, a atividade amorosa em plataformas digitais.

“Os pacientes devem ser aconselhados sobre os riscos de capturas de ecrã de conversas ou vídeos”, dizem os pesquisadores.

Depois disso, ter relações com pessoas da tua casa. Isso, observa o estudo, apresenta um alto risco de infecção, uma vez que um ou ambos os parceiros podem ter pego o vírus de fora de casa.

Em último lugar, e considerado o maior risco, é fazer amor com pessoas fora de nossa casa.

Nesses casos, o estudo afirma que os pacientes devem ser aconselhados sobre técnicas de redução de risco, como: “minimizar o número de parceiros, evitar os que tenham sintomas consistentes com SARS-CoV-2, evitar beijos e comportamentos amorosos com risco de transmissão fecal-oral, usar máscara, tomar banho antes e depois das relações e limpar o espaço físico com toalhetes de sabão ou álcool.”

O Dr. Jack Turban, pesquisador principal do estudo, disse: “Para alguns pacientes, a abstinência total da atividade sexual em pessoa não é uma meta alcançável. Nessas situações, fazer amor com pessoas com quem eles estão em quarentena é a abordagem mais segura.”

Nota: Este é um artigo de carácter humorístico/satírico com o objectivo de fazer rir. A informação aqui veiculada não corresponde à realidade. É meramente ficcional.